O pão que desceu do céu

Ao meditarmos os acontecimentos da vida de Jesus de Nazaré é preciso, antes de tudo, associar nossa vida aos mesmos acontecimentos. É preciso colocar-se no lugar daqueles que se encontraram com o mestre, perceber a transformação de ontem e de hoje, neles e em nós, pois a fonte da graça é a mesma, é Jesus.

O famoso discurso dos pães incide sobre todos como uma mensagem dirigida a cada coração. Deus faz-se alimento. Sendo assim, Ele nos visita, descobre mais um meio para se achegar a nós e se fazer Presença. É curioso o fazer-se pão. Deus em sua simplicidade Se nos mostra como Aquele que nos conquista pela pequenez evangélica, pela proximidade e aproximação. A inquestionável e divina forma de estar junto.

O pão que desceu do céu ganha notório e fundamental sentido quando, lá na frente, o evangelista São João relata a fala do próprio Jesus: “Eu sou o pão da vida” (Jo 6,48). Certamente as mentes cristalizadas daquele tempo não compreenderam tamanha novidade, antes de se encantarem, escandalizaram-se. Jesus era novidade demais para eles. Um homem dizendo ser pão? E pão do céu? O pão da vida? Até mesmo para nós, distantes de lá, é algo intrigante e que suscita a presença intensa da fé e de uma vida modelada por ela.

O fundamental é, antes de interrogações, experimentar o desconhecido que vem da fé. Após a experiência, aí sim, interrogar sobre os efeitos de uma recíproca relação.  A presença amorosa de Deus que se dá em alimento, revelando-Se essencial para a vida e para a nossa história. O pão que vem do céu é o amor saboroso que sustenta a vida. É o amor que incentiva a amar na mesma simplicidade, na dinâmica da mesma conquista, no divino jeito de ser um conosco.

O alimento que mata a fome e sacia a sede. Fome e sede tão fundamentais que traduz o desejo íntimo de todo coração: amar e ser amado pelo Criador. Experimentar Nele o amor que refaz. O pão que desce para nos encontrar, o amor que vem para nos ensinar o caminho do céu. E, a caminhada ao céu só é possível quando Jesus mesmo é o caminho.

Pe. Alessandro Tavares Alves

Diocese de Leopoldina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *